Google+ Followers

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

SOBREIRA EM VARRE-SAI, RJ - MYHERITAGE.COM http://www.myheritage.com.br/site-265335941/sobreira





Foto de meu pai, Sylvio, com a mãe, Maria Emília, e o sobrinho Antônio Carlos Oliveira                                           Rio de Janeiro - 1940
             


      O meu nome é Terezinha C. Sobreira  e eu iniciei este site - http://sobreira-varre-sai.myheritage.com.br


      O site foi criado usando o MyHeritage.com. Este é um excelente sistema que permite a qualquer um, como você e eu, criar um site privado para sua família, criar sua árvore genealógica e compartilhar fotos de família. Se você tem qualquer comentário ou feedback sobre este site, por favor, clique aqui para entrar em contato comigo.
      A nossa árvore genealógica está publicada online neste site! Existem 56 nomes no nosso site de família.
 

      Sou a administradora do síte de Sobreira Web Site, criado em 4 de Dezembro de 2014.




      Sobre o Sobreira que primeiro morou em Varre-Sai, Josué, aí vai o pouco que dele tenho conhecimento. Imagino que algum neto mais velho possa acrescentar alguma outra informação.
      Contam que Josué José Sobreira e Ângelo José Sobreira, que supomos ser seu irmão, vieram das Minas Gerais. Josué veio com a esposa e alguns dos filhos buscando um lugar que fosse do seu agrado. Chegando a Varre-Sai, adquiriu um terreno bem na saída para Guaçuí/ES. Parte da atual Rua Otávio Monnerat em diante, de ambos os lados da Estrada para Guaçuí tornaram-se de sua propriedade.
     Após ele, o terreno pertenceu aos meus avós, José Antônio Sobreira e Maria Emília Sobreira. O dono seguinte foi o filho José Antônio Sobreira Junior, tio Cazuza, pai do Waldir Sobreira. Mais tarde, vendeu o terreno para Fiorello Pirozzi e Luiz Amitti.  Fiorello Pirozzi vendeu a propriedade para Dr. Silvestre José Gorini que,  há uns poucos anos, fez um loteamento e vendeu o restante para Gentil Celebrini de Oliveira. A viúva de Luiz Amiti vendeu/doou para Padre Antonio Siqueira. Na antiga propriedade de Josué surgiu  o Bairro N. S. das Graças e, do lado de cima da estrada, o Morro Nossa Senhora Aparecida.
      Josué, por certo,  adquiriu o terreno acima para a pastagem de bois e burros, já que se dedicou ao transporte de cargas que, então, era feito com tropa de burros e carros-de-boi. 
      O que sabemos sobre Ângelo é que se radicou em Alegre, ES.

Família próxima





Sylvio José Sobreira paiMaria José Sobreira mãeLeia Maria Sobreirairmã
Lucia Maria Sobreira irmãJones C. SobreirairmãoJomar C. Sobreirairmão
Josiel C. Sobreira irmãoLuciene C. Sobreirairmã










     Gosto muito de pesquisa e, quando necessário, vou ao Cartório de Ofício Único de Varre-Sai, RJ., onde trabalhei de 1961 a 1968. É onde se encontra a História de Varre-Sai. Por haver trabalhado lá, o Tabelião atual permite que eu mesma pesquise nos antigos livros. Ainda não está tudo informatizado. Os termos de registros antigos já estão bem apagados.
     
     Meus primos, Luiz Coimbra Sobreira e Jarbas Magno Sobreira do Nascimento, filho e neto, respectivamente, de Primo José Sobreira, conhecem os Sobreiras do Estado do Espírito Santo.
     Já participaram de encontros da Família Sobreira e estão inscritos na Associação da Família Sobreira, organizada pelo Desembargador/ES Sebastião Teixeira Sobreira.

     No Rio de Janeiro, minha irmã, Luciene C. Sobreira, foi morar em um prédio onde eram moradores antigos o casal Vicente Sobreira e Lia, ambos Sobreiras, primos em 2° grau. 

     Gente muito boa mesmo!  Sobreira, o Vicente, chama a todos nós de "primos" e disse que assim procedem todos os Sobreiras do Nordeste.
     Vicente Sobreira sempre soube que um membro da família veio morar no Estado de Minas Gerais.

     De fato, na certidão de óbito de meu bisavô, Josué José Sobreira, consta que ele nasceu em Minas Gerais.

     Minha prima Angélica Sodré de Oliveira (filha de Eugênia Sobreira de Oliveira) contou-me que tio Arindo José Sobreira, visitando Juiz de Fora-MG, viu fixada uma plaquinha com o nome "Família Sobreira" em um dos bancos de uma Igreja Católica. Este era um hábito antigo que indicava o doador.

     Hoje, com a internet, é fácil verificar a existência de Sobreira em Minas Gerais. Há uma rua, em Juiz de Fora, denominada Antônio José Sobreira. Da mesma forma se vê a enorme quantidade de Sobreira no Nordeste.

     A "Estirpe de Santa Teresa" oferece subsídios para a genealogia dos Terésios, cognome para os nascidos e vividos no Engenho de Santa Teresa: "Paes Landim, Jesus, Cruz Neves, Cruz, Saraiva da Cruz, Cruz Santana, Macêdo, Lôbo de Macêdo, DIAS SOBREIRA, Olegário" e muitos outros.

     Aí já é coisa para especialista ou pessoa mais inteligente e dedicada que eu... 


 


































segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A PRIMAVERA É UMA ESTAÇÃO FLORIDA, CHEIA DE IMENSO E DIVINAL FULGOR...







IGUALDADE ILUSÓRIA

(Termo popular: Mocidade e Primavera)





 


A primavera é uma estação florida,

Cheia de imenso e divinal fulgor;

De flores enche o coração da vida,

E enche de vida o coração da flor.



A mocidade é uma estação ditosa,

Cheia de risos, de ideal prazer;

E as almas sentem um viver de rosa,

Na mocidade, a rosa do viver.



Na primavera, há profusão de cores;

As flores brotam no rochedo bruto

Depois... o fruto que há de vir das flores,

E as novas flores que hão de vir do fruto.



Na mocidade, há melopéias calmas;

Tremem dos lábios os vermelhos frisos;

Os risos cantam no brotar das almas,

Cantam as almas no brotar dos risos.



Ambas se adornam de um viver risonho,

Iguais parecem – ambas são de amor

Se a mocidade faz nascer o sonho,

A primavera faz nascer a flor.



Tão iguais parecem quando a vida as solta,

E, no entanto, elas não são iguais:

A primavera passa e depois volta,

E a mocidade não nos volta mais.





Francisco de Paula Monteiro de Barros

Rio de Janeiro (1871 – 1915).




 Obs.
     Lembranças do tempo em que cursava o antigo Ensino Primário, E.E. Dr. Miguel Couto Filho, Varre-Sai, RJ.
     Era cantado em homenagem à chegada da Primavera.
     Lembrança de muitos contemporâneos meus...